quarta-feira, 1 de abril de 2020

fique em casa...



cantai sem limitar o rouxinol
hora perfeita de estar no ninho
é grande o anseio de dias de sol
a comunhão dos seres é o caminho

natalia nuno

sábado, 1 de fevereiro de 2020

singelas...soltas



aonde vou eu peregrina
a algum lugar sagrado?
talvez lembrar da menina
que sempre trouxe ao lado.




os olhos da terra a côr
sempre a olhar mais além
seu coração traz amor
e traz saudade também


natalia nuno

sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

singela...



venho subindo os degraus
subindo venho de pés nus
uns dias bons, outros maus
vou levando assim a... cruz.
natália nuno

brejeiras...soltas


aonde vou de laçarote?!
debruçar-me à janela !
levo engomado o saiote,
a sorte vou atrás dela.

anda m' boca com desejo
dum beijo dado ou roubado
que boca terá esse beijo
que o trago tão desejado?

já pressinto a rendição
minha sensatez perdida
com o mover da tua mão
na blusa que trago vestida

natalia nuno

terça-feira, 28 de janeiro de 2020

a rima em mim é espontânea ...


Estas palavras que se seguem, são apenas um desabafo... há quem desdenhe a todo o pé de passada, dizendo que as quadras e as rimas são escrita simplória, rural, um ajuntamento de palavras sem graça. Nem quero acreditar nisto, mas vi escrito num site de poesia, por uma pessoa que se diz Poeta com letra grande pois desdenha de quase tudo e de quase todos, não que eu tenha alguma coisa contra a sua opinião, mas não sei o que ruralidade tem de mal, ela que eu trago entranhada nas minhas veias, desdenhar é fácil, difícil é rimar e fazer quadras a preceito, que saiam jóias lapidadas de vocabulário justo e preciso, que ao leitor digam alguma coisa sobre a vida ou sobre sentimentos, afectos etc. Concluo que é apenas inveja de quem não tem leitores apesar de tão aprimorado que escreve....e penso, que diriam os nossos Poetas clássicos ou que diria o nosso António Aleixo o Gedeão, e tantos outros cuja escrita se tornou eterna, inesquecível através dos tempos. Não gostei do que li, a desvalorização da rima e das quadras acho uma afronta a quem as escreve ainda mais palavras vindas dum poeta. Uma coisa é dizer-se que não se aprecia cada um gosta do que gosta, outra é desdenhar como se a pessoa que as escreve fosse ridícula ou a sua poesia menor ou insignificante. Não me incomoda que me achem um poeta inculto, pois vou continuar a escrever quadras e a rimar sempre que a poesia me peça, (as duas coisas são espontaneidade em mim).
Deixo duas quadras de Aleixo que dizem exactamente o que eu gostaria de dizer a quem se julga acima de todos:
Peço às altas competências
perdão, porque mal sei ler,
para aquelas deficiências
que meus versos possam ter.
Julgam-me mal sabedor,
E é tam grande o meu saber
que desconheço o valor
das quadras que sei fazer!

natalia nuno

domingo, 19 de janeiro de 2020

essência...



quem vê além da aparência
com subtil e límpido olhar...
busca muito mais da essência
q' a aparência pode mostrar
natalia nuno
rosafogo

sábado, 18 de janeiro de 2020

amor...



rosas que mais poderia ser?
rosas fontes de promessas...
graciosas, q' trago pra oferecer
amor...amor sem que me peças
natalia nuno
rosafogo