domingo, 13 de outubro de 2019

inda há pouco fui uma rosa...



traço a traços largos
travos que avida deixou
no coração tão amargos
que a vida ao rubro ficou

quando a gente imagina
vida é só contentamento
logo o sol nela declina
e sombreia o pensamento

lembranças logo presentes
ou sonhos imaginados?
como o rio levo correntes
águas dos anos passados

hoje sinto-me terra estranha
-ando de mim tão alheia!
se viver é loucura tamanha
a vida em mim foi maré cheia

inda há pouco fui uma rosa
lembrança, longa saudade
se a vida me foi generosa?
passou a manhã, já é tarde

ficou o tempo lá atrás
o sonho é meu amigo certo
agora tudo o resto tanto faz
vivo de coração aberto.

natalia nuno
rosafogo

sábado, 12 de outubro de 2019

o sol voltou...



deixo de parte a tristeza
às vezes maior que eu!
quero olhar a Natureza
este querer Deus me deu.
trago o coração activo
e a saudade de tantos anos
para agasalhá-lo assim vivo
a não lhe dar tantos danos!
e com este correr dos dias
sigo sem medo e sem reparo
sem ânsias, nem agonias
neste meu céu azul claro
e o sonho segue à maneira
no meu mar de areia fina
cresce de mim não s' esgueira
trago-o no riso desde menina
natalia nuno

sábado, 14 de setembro de 2019

trovas coração sem dono...




posso até ter morrido
por amor ou desamor
por talvez não ter sabido
de amar ter algum temor

trago o ânimo esforçado
ando mais morta q' viva
meu contentamento calado
amor é dor  ando cativa!

hão-de vir dias melhores
dias felizes de ir à lua
quem nunca sofreu amores
enamorada dizer sou tua?

quem é que  nunca amor fez
de forma livre e descuidada
há sempre uma primeira vez
que entra a seta envenenada

meu coração ontem roubaste
sem te dar o consentimento
sem ventura logo me deixaste
amor fugaz como o vento

quero encontrar porto seguro
despertar pensamento do sono
perdido em lugar escuro
trago o coração sem dono...

natalia nuno
rosafogo





segunda-feira, 9 de setembro de 2019

o poema...



poema dirige-se a toda a gente
não traz com ele estranheza
dialoga com o passado docemente
e afirma estar vivo de certeza

por vezes conta uma história
e alarga-se até ao infinito
a partir do vivido a memória
molda o poema q'nasce aflito

as palavras o vão polindo
cresce o poema com precisão
e como flor se abrindo
nele o Poeta põe alma e coração.

natalia nuno

(rabiscos)

acaso sem te ver...



meu coração desabitado
não cabe nele entendimento
- logo se lhe dou cuidado
se enche de sofrimento.

os olhos verdes rasgados
resplendor do sol está cegando
andam p'los teus enamorados
a tua ausência chorando...

(rabiscos)
nataliarosafogo
1996

domingo, 1 de setembro de 2019

quadras soltas... lê-me nas entrelinhas



nunca deixes de saber
ler-me nas entrelinhas
os olhos farte-ão crer
que por elas tu caminhas

o espelho do teu olhar
é todo um mar sem fundo
se me olhas chego a cegar
enquanto esqueço o mundo

o mundo é longe, distante
onde alguém anda perdido
pulsa meu coração amante
por tanto lhe ter querido...

coisas escoam do peito
um recado as atravessa
perderem-se deste jeito?!
não é coisa que mereça.

as razões a que viemos
estranhas sombras q' somos
pra ver amor se estivemos
só a olharmos o que fomos

o tempo cresce redondo
tanto nos deu, tanto tirou
em nosso rosto vai pondo
olhar perdido que roubou

não será em vão este olhar
basta leres nas entrelinhas
onde não deixo de cantar
q' a meu lado tu caminhas

natalia nuno
rosafogo






sábado, 10 de agosto de 2019

a palavra...quadras soltas


a palavra magoada, sentida
coração amargo, desilusão
- sem volta... esta partida!
o fio da espada separação.

veio o luar a noite é prata
do amor,  nem um sinal
dor que não ata nem desata
a brotar no coração, é fatal.

o silêncio é grito mais forte
quando se está triste e só
na crina do vento vem a morte
num sopro rijo... sem dó!

este vento que me invade
e esta mágoa que me corre
encanece o cabelo a saudade
e a palavra sentida já morre.

natalia nuno
rosafogo


Distante há tempo de ti,
Voltei pelo vai do vento.
Parei aqui um momento
E muita luz eu senti!

Parabéns, querida, eu vi
Lindos versos e atento,
Veio à alma o sentimento
Que a beleza está aqui.

Linda a tua poesia
Que a minha alma vazia
Ficou repleta de luz.

Teus versos têm a magia
Da luz que nos alumia,
Encanta a alma e seduz!

Grande abraço, querida amiga! Desculpe-me a ausência por tanto tempo. Laerte. 
31 de agosto de 2019 às 07:37

Fico muito grata amigo Laerte, adorei o soneto que me deixou, muito belo, obrigada pelo apreço às minhas quadras. Meu abraço.