sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

os olhos d'alma...trovas soltas



passam nuvens espavoridas
e o vento sopra atrevido
passa o tempo em nossas vidas
dói o choro dos olhos, caído

fugida também a formosura
pelo tempo maltratada
resta porém a ventura
que ainda floresce na estrada

pisa-nos o tempo sem dó
deixa-nos flores sem encanto
logo apenas seremos pó
quimeras, magia, quebranto

trago o destino nas linhas
marcam elas a minha vida
mãos cansadas estas minhas
no mundo à sorte de corrida

plantaram flores na primavera
têm mais anos que a idade
traçam poemas na espera
de os reviver com  saudade

natália nuno
rosafogo



cartas d'amor...trovas



cartas de amor recebi
com beijos da tua boca
tantas vezes eu as li
acabei por ficar louca

cartas d'amor um jardim
de sonhos e de ventura
de rubras rosas, carmim
recordá-las é loucura

trago-as junto ao coração
embora seja imprudente
não vão elas cair ao chão
e este ficar doente...

cartas d'amor são braseiro
o mesmo sinto ao beijar-te
vai Dezembro, vem Janeiro
quero com beijos sufocar-te

meus olhos verde esperança
a que o tempo roubou a côr
côr que ficou na criança
que lia as cartas de amor...

minha alma toda ela floria
e tuas mãos me enlaçavam
e eu rosa em botão m'abria
aos lábios q' me beijavam.

cartas d'ámor vôos de condor
tantas as cartas foram lidas
versos e letras de amor
enfeitaram nossas vidas

restam registos de saudade
nestas cartas, agora lenda
cartas escritas na mocidade
por corações sem emenda

natália nuno
rosafogo






quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

fiz pacto com a dor... trovas soltas



chegou a idade sem nenhum aviso
foram tantos, os anos que passaram
em vez  de me levarem ao paraíso
os anos ao inferno me entregaram

lembranças vêem ao pensamento
escrevo-as com veia de nostalgia
meus sonhos levados pelo vento
fiz pacto com a dor, volta alegria

e o júbilo no coração é superado
e serena canto à vida e cantarei
esqueço desenganos, do passado
nenhum insulto à vida proferirei

tarde está solarenga, hora bendita
traz-me à janela dourado esplendor
nestes versos toda a ternura é dita
num último adeus que digo ao amor

nesta tarde sem vento e sem trovão
uma saudade enorme coração aperta
bem que eu gostaria, mas em vão...
que a primavera voltasse, fosse certa

a tarde não trouxesse ainda o poente
deixasse-me sonhar coisas espantosas
que na vida fosse ainda tão inocente
onde o doce tempo faz abrir as rosas

natalia nuno
rosafogo





sábado, 15 de dezembro de 2018

Boas Festas aos amigos que visitam este meu blog

Aos amigos desejo Boas Festas, que seja época de Paz e Amor, desejo também saúde para todos, como o tempo é de reflexão que nos unamos e que haja também mais união entre os homens, que haja a paz desejada no Mundo, haja mais respeito pelas crianças e idosos, principalmente que os poderosos ponham a mão na consciência e resolvam os problemas urgentes, há crianças a morrer de fome, enquanto eles deitam a cabeça na almofada sem qualquer preocupação com os que sofrem...que tempos melhores se avizinhem , é esta a emoção que me vai na alma, tenho esperança que o sol cubra a terra e afaste as sombras...mesmo sabendo que nunca vai ser a felicidade completa, que seja pelo menos melhor o amanhã que hoje... um abraço fraterno.
a amiga natalia nuno

grata pelas visitas ao meu Blog


domingo, 11 de novembro de 2018

deixou-se morrer...trovas



o coração é como um berço
que vai embalando a saudade
amo a vida e até me esqueço
que a morte é uma realidade

faz tempo q' o coração abria
pronto, pronto a desabrochar
passava o tempo e a fobia
era em teu coração morar

grande, a paixão se perdeu
agora coração tão cansado
amor q' no peito adormeceu
a morte dum sonho calado

é um velho piano sem dono
este coração que ainda bate
do amor ficou ao abandono
que venha a morte e o mate

assim vai escondendo a dor
deixou de reclamar mas dói
dá-se à lembrança do amor
e um sopro é tempo que foi

natalia nuno
rosafogo


quarta-feira, 31 de outubro de 2018

palavras por dizer...trovas



há palavras por dizer
têm a brancura do nada
resta o sonho acontecer
a quem sonha ser amada

do sonho q' me ofereces
não há frio na madrugada
na despedida me esqueces!
e eu sinto-me abandonada

nas horas amargas do dia
lembro que tempo apagou
os sorrisos da fotografia
que aos rostos não voltou

nos sobressaltos da vida
em erupção de sentimentos
com a alegria desaparecida
sobrepõem-se os lamentos

a vida é  largo de emoções
nada nos impede d'avançar
pior a angústia das solidões
que é não saber o que é amar

palavras que dizem o amor
têm eterna e infinda beleza
têm das flores o cheiro, a cor
fica-nos do sonho a certeza

natalia nuno
rosafogo







domingo, 16 de setembro de 2018

cântico triste...soltas




neste verso rosa saudade
de(lírio) ou esquecimento
na procura da felicidade
ando eu a cada momento

debruçada sobre este céu.
q' avisto da minha janela
entre mil estrelas nasceu
uma que é a mais singela

o que me rasgou o coração
com uma espada afiada
fez me caminhar na escuridão
com medo de não ser amada

imenso e constante vazio
vivo em céus d' melancolia
na espinha sinto arrepio...
perdi teu amor, quem diria!

trago meu peito inundado
escrevo palavras d'comoção
ponho as fantasias de lado
que trepam nos dedos da mão

este inferno que é escrever
tão confuso. tão tenebroso
nestas linhas quero morrer
sem um despedir doloroso

natalia nuno
 soltas escritas em meados de 2001