quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

palavras


palavras são dinamite
também podem valer ouro
haja então quem acredite
faço delas meu tesouro...
 
com palavras levo jeito
são de angústia ou alegria
escreve-las sempre ajeito
verdadeiras ou fantasia.
 
palavras trago como rio
que dia e noite não dorme
faço delas meu desafio...
e a saudade fica enorme.
 
delas não tenho receio
são mínha cana de pescar
envolvem-me, nelas enleio
até minha hora chegar...
 
palavras água da fonte
que na poesia matam a sede
adormecem no horizonte
que é grande e não se mede.

 
natalia nuno
rosafogo
imag-net

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

quadras...a poesia é a prova






deu-me o destino por sorte
cantar desde que nasci...
não há coração que suporte
o amor que tenho por ti.
firmei o pé na estrada...
no caminho encontrei espinho
feri  os pés... e magoada
não reneguei teu carinho.
há dias com enfermidade
mas não desperdiço o sonho
também os há de saudade
 o rosto fica risonho.
o poeta sabe criar...
o que só ele sabe entender
no desejo de encontrar
a quem amor oferecer.
a vida partiu não volta!
saudades murmúrio de sedas
são passarinhos à solta...
no coração das  veredas.
memórias andam perdidas
como navio em alto mar
histórias velhas esquecidas
como areia solta a esvoaçar.
a esperança é sempre nova
no coração faz enchente...
e a poesia é a prova
de que ele ainda sente.
natalia nuno
rosafogo
imag. da net
quadras de 2006

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

trovas...tenho a certeza

 


 
chegou à minha janela
uma andorinha perdida
coitada de mim...e dela
tão de negro ... vestida!
 
é grande o nosso luto...
e a vida não desarma
trago o olhar enxuto...
o sonho é minha arma
 
se eu corro atrás da vida
ela corre atrás de mim!
eu a trago esquecida...
ela me esquece por fim
 
a vida me faz descrente
às vezes causa receio...
esta dor coração sente
fingindo andar allheio.
 
coração é fingidor...
embora cheio de saudade
finge esquecer-se da dor
esquecer-se até da idade.
 
vai morrendo devagar
disso eu tenho certeza!
anda na vida por andar
mas á vida eu ando presa.
 
natalia nuno
rosafogo
imagem minha

domingo, 27 de janeiro de 2013

minha aldeia...


 
 
 
 
ai.... aldeia ribatejana
minha infância aí deixei!
faz mil e uma semana...
tantos meses que nem sei.
 
tuas auroras beijaram
minha mocidade em flor
minhas lágrimas amargaram
ao recordar-te com  amor.
 
cá no fundo do meu ser
não sou alegre, antes fosse!
a menina que viste crescer?
tem alma de criança doce.
 
eu creio que me querias
tal qual assim eu te quiz..!
lembro-te todos os dias
e a lembrança me faz feliz.
 
pensar que não te tenho
pensar que já te perdi...
lá de longe de onde venho?!
estás comigo não te esqueci.
 
estes versos que te escrevo
caem-me da alma em flor
são água fresca que bebo
são lembrança do teu odor
 
são flores frescas de jasmim
aldeia que amei na vida...
não quero esqueças de mim
dou-te um beijo na despedida.
 
natalia nuno
rosafogo
imag-net quadras de 01/1997
das muitas enfiadas na gaveta.
 






sábado, 26 de janeiro de 2013

trovas...as asas do sonho



choro uma lágrima hoje
no rosto a seca o vento...
sinto que a vida me foge
a vida trago ao relento.

já a memória anda lenta
é agora o coração de cetim
no olhar trago água benta
com o o(dor) do jasmim.

trago saudade d' hoje perto
no relógio ponteiros sem dó
passa cada momento é certo
aperta-se o coração num nó.

trago a esperança rasgada
nada mais já faz sentido
tanto amei e fui amada...
tudo no tempo perdido!

dou voltas à cabeça...
há pássaros a esvoaçar,
não há lonjura que impeça
as asas deste meu sonhar...

rosafogo
natalia nuno
imag-net





trovas... horas mudas

 
o amor é onda que vai...
amor é onda que vem!
quem nele cai já não sai
é flor e espinho também.
 
partido em mil pedaços
fica o coração desfeito...
sem amor e sem abraços
a vida assim não tem jeito.
 
passa o dia a noite passa
rezo as contas do rosário
aos  céus suplico a graça
não seja a vida calvário.
 
quando minh'alma partir,
e o meu corpo aqui ficar,
os versos se farão ouvir
já não me verão chorar.
 
se o sofrimento purifica,
deixem-me só na saudade
o amor... sempre vivifica!
amor quer-se de verdade.
 
natalia nuno
rosafogo
img-net
 




sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

trovas...aonde vou?



aonde vou eu peregrina
a algum lugar sagrado?
para lembrar da menina
que sempre trouxe ao lado.

aonde vou mais além?
já que me posso perder!
isto não lembra a ninguém
mas eu não posso esquecer.

aonde vou sem parar?
levo cansado o pulmão!
e o coração por te amar
em golpes de furacão...

aonde vou eu faceira?
prós braços do meu amor?!
queira Deus ou não queira
hei-de seguir com fulgor.

aonde vou de laçarote?
irei a alguma viela?!
levo engomado o saiote,
a sorte vou atrás dela!

aonde vou de olhar triste?
altiva porém sem graça?!
passaste e não me viste
melindrei-me logo passa.

aonde irei eu depois?
se vives no meu coração
unidos vamos os dois
não imponhas condição.


natalia nuno
rosafogo
imag. net.




trovas...não há mais tempo é tarde.


 
não há mais tempo é tarde
a vida passou tomou rumo
viagem tão breve é verdade
apagar de vela, resta o fumo

não há mais tempo é tarde
vai o coração aquecer-se?
nos lábios beijos de verdade
e a vida pronta a perder-se...

não há mais tempo é tarde
direi, deixei-me  morrer!
poeta não era de verdade...
versos só de  entontecer

não há mais tempo é tarde
nasce poema roto e velho...
morre com ele a saudade
do rosto que viu ao espelho.

natalia nuno
img-net
poesia de 20004




quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

trovas...a criança e sua mãe...






uma voz fresca a da criança
o cabelo ouro, de louro  trigo
no rosto chama de esperança
peito ofegante, sonho amigo.

lá está a criança adormecida
ajeitando-a ao colo está a mãe
que importa rapaz ou rapariga?
cravo ou rosa igual aroma tem!

voz cansada canta a cantilena
o sonho põe a criança a sorrir
a voz da mãe languida, serena,
é amor a florescer é flor a abrir.

natalia nuno
rosafogo
imag-net

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

trovas...eu sou!

 

 
 
eu sou brasa sou fogo
um cardo no caminho
faço da vida um jogo
o fim anda pertinho
 
sou nocturno sossego
raio de sol ardente
não largo, não despego
sou ao longe o poente
 
sou a lágrima o pranto
sou flor que desabrocha
sou arrebol, desencanto
sou a chama duma tocha
 
sou a lua milenar
sou fogo sem ambição
a esconder o meu pesar
neste verso de aflição.
 
sou a voz do sino
que se ouve no arvoredo
voz de menina ou menino
que vive sempre com medo.
 
«sou talvez a ventania»
que passa e agoniza...
não sou mais eu hoje em dia
só saudade em mim desliza.
 
natalia nuno
rosafogo
imagem net






segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

trovas...na alma não cabe

 
à garganta me subiu
a lágrima teimosa 
dos olhos me caíu
deixando-me chorosa.
 
o olhar embaciado
tanta é a comoção
meu rosto calado
tremendo-me a mão.
 
o olhar reflectindo
uma luz ardente...
cintilar que está vindo
e que o coração sente.
 
na alma não cabe
recito minha prece
e só Deus sabe
o que o coração carece.
 
nesta noite comprida
a alma de rastros
o amor é vida...!
é um céu com astros.
 
natalia nuno
rosafogo
imag-net
 

domingo, 20 de janeiro de 2013

trovas...momentos de invernia

 

 
caem folhas é outono...
e eu sem saber porquê!
o porquê deste abandono
na dor que ninguém vê.
 
só eu vejo qual a razão
que é da minh'alma o frio
o destino do meu coração
é grito caído no vazio
 
conto do princípio ao fim
os dias da minha vida
comigo sem saber de mim
e cada vez mais esquecida
 
o caminho acaba ao fundo
lá sigo eu de passos leves
aos poucos deixando mundo
brilhos da tarde são breves.
 
dor de alguém não conheço
a dor é como maré vazante
à dor de amor tive acesso
morre com o tempo passante.
 
trago o eco d'outro tempo
lembrando tudo que perdi
no corpo a ferida sem alento
catarse do que não esqueci.
 
natalia nuno
rosafogo
imag-net









sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

trovas...desejos

 
queria ser tua inspiração
ser a tua sede de beber...
janela da tua imaginação
alquimia do teu querer.
 
ou ser pedra do teu chão
queria ser teu caminho
ser teu pedaço de pão,
ou ser teu copo de vinho.
 
ser a tua janela aberta
ser o verde dos olhos teus
sempre fazendo-me oferta
ao aflorar os olhos meus
 
queria ser tua barba crescida
ou ser tua mão forte e bela...
teu corpo em doçura esculpida
paisagem que vês da tua janela.
 
queria ser a sede da tua boca
a gruta do teu maior prazer
mas sou só coisa tão pouca!
apenas uma coisa qualquer.
 
natalia nuno
rosafogo
3/2007
 
 





quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

trovas...dias cinzentos

 
 
 
Começa a chuva a bater
bate o coração no peito
é o inverno a acontecer
e esta saudade sem jeito.
 
bate no vidro da janela
não me deixa ver o rosto
que eu amo através dela
de manhã ao sol posto...
 
já são as horas tardias,
nada me traz as respostas
luzes nos vidros sao frias
angústias me são impostas
 
sugam a alma num estertor
óh...estes dias tão cinzentos!
embaciado anda nosso amor
são cinza os sentimentos...
 
desfazem-se palavras a medo
já não sabem nem que dizer!
abrandam-me a dor em segredo
ah...não deixa a chuva de bater!
 
natalia nuno
rosafogo
imag. net


quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

trovas...queria ser

queria ser o sol que te aquece
o vento que sopra as folhas
o sonho que tão real parece
o riso dos olhos se me olhas
queria ser o cristal das neves
flor que abre na madrugada
ventos norte brandos ou leves
cinza do teu cinzeiro apagada.
queria ser poema do teu canto
a margem onde me esperasses!
a luz do teu dia no teu recanto
livro que lesses ou desfolhasses
queria ser uma flor ao teu olhar
queria ser última maré da tarde
vento que passa por ti devagar
ser luz deste amor de verdade...
queria ser um pássaro no outono
solidão duma noite de inverno
ser poema... em ti ao abandono,
a embriaguês dum amor eterno.
queria ser do  poema a razão
as palavras duma dedicatória
o debrum da tua solidão...
cantar em verso tua história.
natalia nuno
rosafogo
imag-net
trovas de 12/2011

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

trovas... raio de lua

 
 
sou como raio de lua
perdido na montanha
triste palidez da rua
nem o luar me banha
 
sou branca neblina
na madrugada ao alvor
já deixei de ser menina
sou lágrima feita flor!
 
sou aurora que nasceu
lá atrás da colina...
todo o colorido é meu!
o trago desde menina.
 
sou uma flor cristalina
numa manhã nublada
quem me dera ser menina
ou então ser tua amada.
 
trago uma ferida aberta
última lágrima que ficou
mesmo a vida tão incerta?
tanto valor eu lhe dou...!
 
natalia nuno
rosafogo
imag-net
 
 

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

trovas...sempre a saudade

 
 
 
anda em mim a morar
criança quase perdida
rebelde sempre a chorar
com medo de ser esquecida
 
vem a noite e o sol vai
ela anda triste caída...
sempre que a saudade cai
logo a poesia é nascida.
 
dentro dela a solidão...
e logo o verso aparece
as duas em comunhão
e a poesia acontece...
 
deixam-se nela afogar
com infinito prazer...
dobram sinos a espalhar
o poema vai acontecer.
 
e a menina ri e chora
ou dá louca gargalhada
longa estrada chega a hora
fica a obra começada...
 
natalia nuno
rosafogo
imag-net


domingo, 13 de janeiro de 2013

trovas à solidão

 
 
sem rumo andam os passos
horas mortas sem alegria
para que servem os braços
nesta tarde de inverno fria?
 
dias inúteis tão sombrios
onde há tédio e dá o sono
fiquei sem sonhos parti-os
sou flor azul ao abandono.
 
flor que ficou p'lo  jardim
rosa que um dia cheiraste
partiste levaste-me a mim
e também em mim ficaste.
 
flor que um dia colheste
pois eu sei pra mim olhaste
mas amor nunca me deste
foste embora não voltaste.
 
flor sem ninguém ao lado
fim de tarde, sol de inverno
vida inteira tempo apagado
sonhando amor eterno...
 
natalia nuno
rosafogo
imag.net.
3/2005

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Lembranças de canto e pranto

 
 
É alegre minha lembrança
e eu lembro com vontade
não à morte sim à esperança
quero lembrar com saudade.
 
Estas palavras que escrevo
vão saindo do coração...
a dizer tudo não me atrevo
falo do que lembro então!
 
Há muito que me conheço
o tempo tudo me levou
se da vida desmereço?
porquê saudade me deixou?
 
Tanta coisa a gente sente
e que à memória vem dar
estar contente ou descontente
em vez de chorar...cantar!
 
Às vezes me alegro...tanto!
trago a mágoa dessimulada
e canto, canto em pranto...
lembrança de coisa passada.
 
natalia nuno
rosafogo
imag net







quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

trovas soltas


 
 
 
É noite em mim agora
Poesia trago no peito
Palavras escrevo na hora
Fica o coração satisfeito.
 
Trago uma flor, um abraço
Que mais poderia trazer?
O que sei é o que faço...
Demonstro meu bem querer


***********

natalia nuno
rosafogo
imag. net


quadras ao modo popular

 
 
 
vesti a blusa nova...
pintei os lábios carmim
só para te pôr à prova
saber se gostas de mim!
 
calçei minhas alpercatas
fui à horta ver se te via
Ai amor ...quase me matas
Tens outra e eu não sabia.
 
chovia que Deus a dava
o dia acordara cinzento
meu coração que te amava
já não tem o mesmo alento.
 
sentinela bem alerta
à espera de te ver chegar
logo o coração se aperta
no calor de te abraçar.
 
ainda que mal pergunte
quero saber a verdade
não sei se afaste se junte
de ti a minha saudade.
 
por mais que tente saber
se é grande a tua afeição
juras que é grande o querer
que um dia pedes-me a mão.

cai a chuva miudinha...
no peito bate a saudade
esta saudade que é minha
 e que sinto de verdade.
 
natalia nuno
rosafogo
imag-net.
quadras de 2000/03

quadras...o piar da cotovia




 
 

Um doce piar de cotovia
Junto ao rio eu a olhava
O meu coração a entendia!
Solidão em nós se insinuava.

Ai se soubesse o que quero!
Mas se nem minha alma sabe?
Quero sonhar! Mas desespero!
Quebrei asas!Como ser ave?
 
Ausências matam lentamente
Vão vazando alma e coração
Fica a solidão abundantemente
No olhar medo e inquietação.
 
A lembrança traz saudade
Lembrança até faz doer!
Mas eu lembro a mocidade
Mesmo que me faça sofrer.
 
É tão simples o meu rimar
Rimo sempre na noite escura
Mas rimo sempre a sonhar
Que venha de Deus ventura...


natalia nuno
rosafogo
imag-net

quadras de 2006/5








 

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

sonho sempre a ti voltar....




contra o tédio há que viver
caminhando sigo em frente
se da vida me perder...
deixo-me levar na corrente.
de sonhos a vida é feita
do sonho não quero acordar
se esta vida não é perfeita
deixo-me no sonho ficar...
eu penso com o coração
a vida é isto é ter sonho!
quem vive só da razão?!
vive o real que é medonho.
meu peito bate apertado
com batidas retumbantes
as lembranças do passado
eu as lembro como dantes.
ouço os sinos a repicar...
e o baile no largo da praça...
o coração de tanto amar!?
bate quando por ti passa.
natalia nuno
rosafogo
foto minha.

domingo, 6 de janeiro de 2013

trovas...mel de beijo

 
 
um grato sabor na boca
viver em liberdade...
o amor que me traz louca
e esta imensa saudade...

vou balbuciando o canto
avezinha feliz...agora!
pedras do caminho levanto
e o sol me aquece na hora.
 
crescem goivos no jardim
e em mim cresce o desejo
que a vida traga por fim
de teus lábios, mel de beijo.
 
trago o rosto pensativo
vou firmando pé na estrada
coração de amor cativo
a alma levo enamorada!
 
levo minha vida quieta
nuvem que não sai do lugar
Deus assim me fadou Poeta
flor que tenta desabrochar.
 
natalia nuno
rosafogo
imagem da net

sábado, 5 de janeiro de 2013

onde a vida se fez tarde...



na memória trago imagens
que me adoçam o coração
andei por tantas paragens
mas a aldeia é meu chão.
 

desembarquei num lugar
onde a vida se fez tarde
era um tempo sem tardar
era o tempo da verdade...

estalou da vida as feridas
não se fizeram esperar...
vivesse eu mais mil vidas
voltaria ao mesmo lugar.

pouco irei mais à frente
diz-me um pressentimento
no pensar sou congruente!
e é este meu pensamento.
 
a idade representa...
todo o tempo que gastei
já lá vão quase setenta
cansada por ele passei.
 
já levo longa a jornada
que me deixa a triste pena
ao chegar daqui a nada
virá a morte serena.
 
natalia nuno
rosafogo
imag.net