terça-feira, 15 de janeiro de 2013

trovas... raio de lua

 
 
sou como raio de lua
perdido na montanha
triste palidez da rua
nem o luar me banha
 
sou branca neblina
na madrugada ao alvor
já deixei de ser menina
sou lágrima feita flor!
 
sou aurora que nasceu
lá atrás da colina...
todo o colorido é meu!
o trago desde menina.
 
sou uma flor cristalina
numa manhã nublada
quem me dera ser menina
ou então ser tua amada.
 
trago uma ferida aberta
última lágrima que ficou
mesmo a vida tão incerta?
tanto valor eu lhe dou...!
 
natalia nuno
rosafogo
imag-net
 
 

1 comentário:

manuel marques Arroz disse...

Lá dizia o Antero:
"Tu, lua, com teus raios vaporosos ."

rsrsrs.

Beijo.