segunda-feira, 25 de novembro de 2013

soltas...tempos difíceis




de sentido muito tosco
mentiras até mais não
se vierem vou convosco
pra lhes dar um empurrão

Utilidade em ser isco...
não me parece, pois não!
mas a dizer eu me arrisco
há para aí muito aldrabão

esses senhores magnates
na vida bem instalados..
não saem nem que os mates
ou tenham os ditos apertados

nem que a própria vaca tussa
que devolvam o que é nosso!
estes doutores da mula russa
são, eu quero mando e posso

com certeza sempre em frente
que a vida não é para parar
se o governo é incompetente
temos mais é que o derrubar

s' querer chegar ao hospício
trago aqui mil e uma ideias
que tal fazermos um comício
para vasculhar as teias...

de o fazer pró pão ganhar
foi pró buraco da fechadura
agora fome temos de passar
assim o governo nos tortura

teriamos sempre saúde
se nascidos noutro país...
mas é tal a vicissitude
aqui já ninguém é feliz

sobre a conta que começa
a dar-me dores de cabeça
e não há nada que impeça
este país é uma tristeza!...

nos deu razões p'ra lutar
palavras de amor e sorte
suspiros de amor no ar
e nosso querer mui forte

os ricos enchem a pança
deixam-nos todos sem norte
se este povo não avança
ficamos entregues à sorte

chora o homem e a mulher
com espinha na garganta
de tanta injustiça ver...
os diabos a pintar a manta

onde nem percebo nada
e entrei só por entrar...
trago a alma incendiada
por me quererem roubar

revolta que lhe empresta
que ainda o leva a acreditar
é por isso que se manifesta
da liberdade não vai abdicar

das razões d'outro existir
outro melhor nos governe
está na hora deste, partir
antes que nos subalterne.

natalia nuno
quadras em resposta às quadras encadeadas do site Horizontes da Poesia, nestas quadras o 1º verso de cada uma não é meu.


2 comentários:

manuel marques Arroz disse...

À quanto tempo! Saudades de passar por aqui.

Abraço

Natalia Nuno disse...

Olá Manuel, és sempre bem vindo, como vês recebo poucas visitas, daí que eu saiba quem é verdadeiramente amigo.

Beijo
Obrigada.