sábado, 22 de novembro de 2014

trovas soltas...louca d'amor.




sopra uma nuvem de fumo
estremeço na escuridão...
à solidão não me acostumo
nem eu, nem meu coração

vou levando muito a sério
quando a solidão me bate
no pensamento o mistério
no coração um combate...

trago o coração a arder
queimando que nem brasa
ai...toda a dor nos faz doer
e  logo o coração...arrasa!

sem amor p'lo caminho

quem é que canta e vive?
pobre coração! pobrezinho
com a saudade convive...

bola de sabão é sonho
ou sonho bola de sabão
louca d' amor me  ponho
amor ...se me dás a mão!


natalia nuno
rosafogo
12/10/2006






2 comentários:

Edith Lobato disse...

Os poemas em trovas me encantam demais, este teu está um primor. Parabéns e bom fim de semana.

Natalia Nuno disse...

Eu adoro criá-las são um bom exercício para a memória a busca de palavras que rimem, embora quase sempre surjam instantaneamente.
Obrigada amiga.