domingo, 3 de julho de 2011

SOLTAS XXVIII



Porque nada me esquece
Lembrança é sol que arde
A saudade quando aparece
Deita-se comigo já tarde.


À noite choro tua ausência
Choro o beijo que não dás
Rezo e é forte minha crença
De que ao meu sonho virás.


Pródigo o passado volta
Fala-me da mocidade inteira
Logo minha alma se solta
Corre minha vida ligeira.


Que importa se sonho é
Se me dás beijo também?
Quem vive e sonho não tem
É triste e infeliz até...


De ilusão me enche a alma
Num doce sonhar embebida
Bate o coração mas se acalma
De alguma dor já sentida.


natalia nuno
rosafogo

1 comentário:

manuel marques disse...

Quadas nostálgicas mas cheias de sentido...

Beijo.