quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

QUADRAS SOLTAS IV



Minhas trovas são como lírios
Trinados belos de rouxinol
Levam-me meus martírios
Dão-me um pouquinho de sol.


Sou trovador bem ao luar
Faço trovas às escondidas
Com infantil ardor as sei amar
Belas, são rosas ou margaridas.


Já não choram os meus olhos
A minha cruz não tem espinhos
Esqueci da vida os abrolhos
Liberto tenho meus caminhos.


Despedi-me até da saudade
Que no meu peito habitava
Para atear minha ansiedade
Dos beijos que então te dava.


A ternura sempre chega
Nos olhos, sorriso ou  beijo
Carinho ninguém renega
Mas é  Amor que se deseja.


Hei-de ir e hei-de levar
O coração por ti a bater!
É noite alta, o sono a faltar
E o velho coração a sofrer.


natalia nuno
rosafogo
imagem blog imagens para decoupage

2 comentários:

manuel marques disse...

"Despedi-me até da saudade
Que no meu peito habitava
Para atear minha ansiedade
Dos beijos que então te dava."

Muito bonito,parabéns.

Beijo.

Natalia Nuno disse...

Que bom ter o teu apreço, sabes que sou muito
negativa, nunca gosto muito do que escrevo, e fico feliz porque de facto tenho muitos e bons comentários, incluindo agora os teus.
Sabes, eu escrevo há anoe meio para o Lusopoemas
e tenho cerca de 180.000 visitas e oito mil e tal comentários o que eu considero muito bom.

Mas ainda assim, tenho sempre dúvidas, nunca estou totalmente satisfeita.
Desculpa o desabafo, te agradeço imenso o carinho com que me tens visitado.

beijo Manuel
da amiga natalia