quarta-feira, 3 de julho de 2013

trovas...juras e promessas

 
 
prometeu-me e até jurou
que o amor era bem forte
saudade de mim mostrou
mas depois partiu à sorte.
 
meu peito na escuridade
 cego de amor não esquece
jura morrer de saudade
p'lo amor que o não merece.
 
dizer-te adeus eu quisera
pra não viver a queixar-me
enquanto o coração espera
vem até mim abraçar-me.
 
vivo lembrando o passado
vivo a entreter o pensamento
trago o coração magoado
batendo incerto... e lento!
 
perde um amor de verdade
logo um tormento principia
num sopro vem a saudade
e toda a vida  enfastia...
 
natalia nuno
rosafogo
imag. net
 

1 comentário:

manuel marques Arroz disse...

Juras de amor quem as não tem...

Beijo