domingo, 9 de dezembro de 2012

quadras...lágrima furtiva

 
 
verso a menos, um a mais
sempre uma lágrima furtiva
saudade me dói demais!
quer que com ela conviva.
 
tem o vento suas nortadas,
rasga o céu a tempestade
tristes passos p'las calçadas
gente triste e sem vontade.
 
gela-me o sangue no peito
a mesma vontade de gritar
dentro de mim dum jeito
como semente a germinar.
 
o som da voz enclausurada
olhos tingidos de saudade,
já se anuncia a alvorada
foi-se a meninice a mocidade.
 
que paixão tão desmedida!
que me traz num riso aberto
canto em versos minha vida
que a morte derruba por certo.
 
natalia nuno
rosafogo
imag-net





2 comentários:

Amara Mourige disse...

Natália, belíssimo poema!um final de semana iluminado!
BJs
Amara

Natalia Nuno disse...

Oi querida Amara, grata pela visita, estou apanhando sol no sul do meu país, quando voltar prometo visitar-te.

Beijinhos