quarta-feira, 17 de setembro de 2014

ao entardecer...trovas



profunda ruga na testa
parece a carne cortar
o sonho ainda empresta
a imagem real pra sonhar

pra esconder a confusão
rio ainda entusiasmada
novo é meu coração...
o da imagem recordada

olho e volto a olhar
as fotos amarelecidas
e tento ainda lembrar
mas são-me desconhecidas

a preto e branco sombrias
apoio-me nos cotovelos
a recordar outros dias...
que só nelas consigo vê-los

dão-me vontade de chorar
a vida é uma doutrina!
ponto assente, há-de acabar
nem sempre se é menina...

às reminiscências m'encosto
balouço-me com nervosismo
espero as estrelas... eu gosto
ao entardecer ... eu cismo

gosto da frescura, da aragem
ver o jardim a escurecer
ver as fotos... e a tal imagem
nos meus olhos anda a morrer

para trás e para a frente
há sempre sinais de vida
só a morte abruptamente
torna a vida desaparecida

nesta semi/obscuridade
bela como uma pintura...
rapariguinha com saudade
olha-se nas fotos com ternura.

natalia nuno
rosafogo








2 comentários:

José Edward Guedes disse...

Linda a redondilha, maravilha pura!!!

Natalia Nuno disse...

Obrigado meu caro amigo, bom receber seu apreço...

Abraço-te, desejando óptimo dia.