quinta-feira, 16 de outubro de 2014

desalento...



a vida...caíu no laço
ou deu o consentimento
hora a hora passo a passo
é levada como o vento...

tem parte de amargura
também parte de festejo
é como da noite negrura
e como o dia... é lampejo!

folhas do outono cegas
trazem silêncio e  tédio
se à vida tanto te apegas
deixá-la é teu remédio!

chega com o teu sorriso
esquece a vida, hipocrisia
faz no silêncio teu juízo
que amanhã é outro dia...

da infância trago mitos
e o verde dos arvoredos
velhos sonhos, benditos
nostalgias e segredos...

melhores memórias então
vem à mente com ternura
como um sonho de vulcão
emoção que inda perdura

aromas não estão esquecidos
nem o das humildes flores
surpresa e harmonia vividos
em meus dias e meus amores

ramagens de água no rio
na inquietação do outono
logo os ventos, surge o vazio
e a memória ao abandono...

natalia nuno
rosafogo
10/2008


2 comentários:

Edith Lobato disse...

Obra maravilhosa num poema precioso e deliciosos de ler. Lindo fim de semana. Bjs

Natalia Nuno disse...

Obrigada amiga és muito generosa

beijinho tudo bom.