domingo, 15 de maio de 2011

QUATRO LETRAS



AMOR é fogo que lavra
Incendeia o corpo e a alma
Quatro letras, uma palavra
Nem DEUS dele nos salva.


Arde no peito a qualquer hora
Assalta, repentino e exaltado
Que nos apraz e nos devora
Delicioso gozo, o desgraçado.


É uma prisão que nos liberta
É uma cegueira onde há luz
É uma seta que sempre acerta
E é ouro, ou é uma cruz!


É uma quimera desmedida
Um fogo posto a arder
Faz-nos levitar e ver da vida
O só que olhos querem ver.


Nasce e renasce como fogo
Não tem tempo, nem idade
AMOR que também é um jogo
Como nos deixa...SAUDADE!


rosafogo
natalia nuno
2008/Maio

4 comentários:

manuel marques disse...

Amar muito é simplesmente amar ...

Amei o poema.

Beijo.

Natalia Nuno disse...

Oi Manuel, devo confessar-te que tenho imensas quadras feitas e arquivadas num dossier imenso, de quando em quando leio e não lhes acho graça, mas vem sempre um dia em que algumas saem para o
Orvalhadas de Saudade.
Obrigada por vires ler, tinha acabado de as colocar.

Beijinho

manuel marques disse...

Passar por aqui é sempre um prazer,ler-te é saudável e alegra-me a alma.

Beijo meu

Natalia Nuno disse...

Fico feliz com teu apreço Manuel, gosto da tua visita, tenho pena de não ter mais tempo, mas prometo visitar-te, comentar pois vou algumas vezes e não comento, pois ando sempre numa correria.

Beijo e obrigada.