sábado, 28 de setembro de 2013

trovas...reminiscências do tempo



ao longe raios de fogo
já as aves emudecem
minha mágoa desafogo
m'has forças desfalecem

reminiscências de ontem
dia a dia bem avivadas
memória de quem as tem
de alecrim impregnadas

aroma silvestre e bravio
fresca sombra do pomar
no doce embalo do rio...
deixei-me por ti amar.

vida é barco aventureiro
ou uma afoita jangada...
barco à vela ou veleiro
ou bandeira desfraldada

dos olhos some-se a vida
que já é sopro de brisa
a viagem já vai comprida
só de sonhos ela precisa

o agasalho que me deste
meu Deus eu te agradeço
Tu no mundo me puseste
e eu nem sei se Te mereço

ser àrvore seca resnascida
ou sombra que o vale cobre
trazer saudade adormecida
e a inspiração sempre sobre.

pula o coração no peito
com uma força exuberante
o sangue nas veias perfeito
agita-se a alma cada instante

estes versos que gerei
em noites de céu estrelado
são sonhos que acalentei
neste meu tempo inacabado.

natalia nuno
rosafogo

2 comentários:

Betha Mendonça disse...

Gosto da jovialidade e beleza das trovas, ainda que algumas liberem certa melancolia.Bjs

Natalia Nuno disse...

Grata pela visita Betha, algumas destas trovas se encontram escritas em blocos de notas e tenho preguiça de as revêr, de quando em quandolá vou buscar algumas, mas já são velhotas.

Bjs.